O que devemos fazer para sermos salvos?

O apóstolo Paulo disse: “Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Romanos 1:16). É uma declaração bastante clara: A salvação é alcançada por aqueles que creem no evangelho. Mas o que é o evangelho?

A palavra “evangelho” vem do grego e significa “boa notícia” ou “boas novas”. Na noite em que Jesus nasceu em Belém da Judéia, um anjo do Senhor apareceu a alguns pastores que estavam cuidado de seus rebanhos nos campos próximos e a glória do Senhor resplandeceu ao redor deles; e eles ficaram aterrorizados. E o anjo disse-lhes: “Não tenham medo. Estou lhes trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor” (Lucas 2:10-11).

Assim, o evangelho é a mensagem de que o Filho de Deus veio ao mundo para ser o nosso Salvador. A propósito, o nome de Jesus significa “O Senhor salva” ou “O Senhor é salvação”.

Mas de que Jesus veio nos salvar? Dos nossos pecados. A Bíblia diz que “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Romanos 3:23); “Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós” (1 João 1:8).

E o que é o pecado? João disse que “o pecado é a transgressão da lei” (1 João 3:4). Quando alguém comete pecado transgride (vai contra, cruza) a lei. “Toda injustiça é pecado” (1 João 5:17). Qualquer coisa que viole a justiça de Deus é pecado. Aquele que age contra a vontade e a palavra de Deus é culpado de pecado (confira Mateus 7:21-23). O pecado é filho da concupiscência/luxúria: “Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tiago 1:14-15). Quando alguém é atraído por sua própria concupiscência e seduzido, a concupiscência concebe sua prole, o pecado, e dá a luz, por “mau procedimento/obras más” (Colossenses 1:21). Os nossos pecados são produzidos pelo cumprimento dos desejos da carne e da mente (Efésios 2:1-3; Colossenses 2:13). 

E qual é o problema de sermos pecadores? O problema é que o pecado nos mata espiritualmente (“o salário do pecado é a morte”, Romanos 6:23) e nos separa de Deus, que é santo (“santo” significa sagrado, consagrado, separado, em relação ao profano, ou seja, ser santo é ser separado do pecado): “Mas as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá” (Isaías 59:2); “Antes vocês estavam separados de Deus e, em suas mentes, eram inimigos por causa do mau procedimento de vocês” (Colossenses 1:21); “Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência. Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira” (Efésios 2:1-3).

Mas apesar de sermos pecadores, Deus nos ama tanto que enviou o Filho Unigênito ao mundo para enfrentar a morte no nosso lugar, a fim de que possamos ser libertos do pecado e da morte e vivermos eternamente em comunhão com Deus.

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)

“Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores.” (Romanos 5:8)

“Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados” (1 João 4:9-10).

Esse é o evangelho puro e simples: Deus nos amou e enviou o Seu Filho Jesus Cristo ao mundo para nos salvar de nossos pecados. Esse é o evangelho que Paulo disse em Romanos 1:16 que nos salva. Ele lembrou disso em 1 Coríntios 15:1-4: “Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão. Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”. Mas não basta que apenas conheçamos o evangelho e acreditemos nele para sermos salvos. A Bíblia claramente diz que precisamos também nos arrepender de nossos pecados, receber o batismo e perseverar na fé até o fim. Vejamos.

Ouvir o Evangelho

A Bíblia diz que “a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (Romanos 10:17). Por isso, é indispensável ouvir a mensagem do Evangelho, pois é por meio dela que se obtém a fé tão necessária para a salvação.

Crer no Evangelho

Não basta apenas ouvir a mensagem do evangelho. É preciso crer nela, obviamente. Muitos ouvem, mas não creem e, portanto, não serão salvos. Jesus disse: “Quem não crer será condenado” (Marcos 16:16). Se quisermos ser salvos, devemos crer no Evangelho, pois Jesus também disse: “Quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16:16). Há diversas outras passagens bíblicas que falam sobre a necessidade de acreditar no evangelho de Jesus para ser salvo. E isso inclui acreditar na divindade de Jesus (João 1:1-3,12,14; Filipenses 2:5-11; 1 João 5:20).

Arrepender-se

Além de ouvir a mensagem do Evangelho e crer nela, é preciso se arrepender dos pecados. Depois de pregar o Evangelho e ver que seus ouvintes creram, o apóstolo Pedro ordenou que eles se arrependessem e fossem batizados: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo'” (Atos 2:38). O arrependimento é a mudança de atitude, ou seja, é reconhecer que o pecado é errado e deixar de praticá-lo. “Quem esconde os seus pecados não prospera, mas quem os confessa e os abandona encontra misericórdia” (Provérbios 28:13).

Ser batizado

Jesus disse: “Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado” (Marcos 16:16). Para muitas pessoas essa é uma afirmação difícil de aceitar. Algumas ensinam que a salvação vem apenas pela fé, sem batismo. Mas devemos ter humildade para aceitar o que a Bíblia diz. Se Jesus disse que o batismo é para a salvação, então o batismo é para a salvação e ponto final. O apóstolo Pedro também ensinou que o batismo salva: “E isso é representado pelo batismo que agora também salva vocês — não a remoção da sujeira do corpo, mas o compromisso de uma boa consciência diante de Deus — por meio da ressurreição de Jesus Cristo” (1 Pedro 3:21).

Por que o batismo é necessário para a salvação? Porque é por meio dele que obtemos o perdão dos pecados! Depois que uma pessoa crê que Jesus é a propiciação pelos seus pecados e se arrepende deles, ela precisa ser batizada para obter o perdão. É isso que a Bíblia ensina; veja:

“Pedro respondeu: ‘Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos seus pecados, e receberão o dom do Espírito Santo’” (Atos 2:38).

“E agora, que está esperando? Levante-se, seja batizado e lave os seus pecados, invocando o nome dele [o nome de Jesus].” (Atos 22:16)

É impossível alguém entrar no Céu sem obter o perdão dos pecados. Ora, se o pecador arrependido recebe o perdão no batismo, então o batismo é absolutamente necessário para salvação!

Mas e como deve ser esse batismo? Primeiramente, a pessoa precisa crer em Jesus e se arrepender de seus pecados, como já vimos acima. Logo, crianças não podem ser batizadas porque não podem cumprir esses requisitos. Em segundo lugar, o batismo deve ser por imersão na água, como a própria palavra batismo sugere (a palavra batismo significa mergulhar, imergir). Ou seja, batismo com água só na cabeça não é válido. Leia mais sobre isso aqui: O batismo da Igreja Católica é correto?

A forma bíblica de salvação é esta: Fé (depois de ouvir o evangelho), arrependimento e batismo: “Sendo assim, aproximemo-nos de Deus com um coração sincero e com plena convicção de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada [ou seja, quando nos arrependemos de nossos pecados] e tendo os nossos corpos lavados com água pura [ou seja, quando somos batizados na água]” (Hebreus 10:22).

Precisamos abandonar o pecado para que possamos herdar o Reino de Deus: “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus” (1 Coríntios 6:9-11).

Uma vez salvos, precisamos perseverar até o fim. “Portanto, irmãos, empenhem-se ainda mais para consolidar o chamado e a eleição de vocês, pois se agirem dessa forma, jamais tropeçarão, e assim vocês estarão ricamente providos quando entrarem no Reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pedro 1:10-11).

Perseverar até o fim

É importante notar que os primeiros cristãos na Bíblia levavam a sério a importância de se reunirem para “se dedicar ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações” (Atos 2:42, NVI).

A palavra grega para “dedicar” usada nesse texto é προσκαρτερεω (proskartereo) e significa “perseverar e não desfalecer”, de acordo com o dicionário bíblico Strong (G04342). É por isso que muitas versões traduzem assim: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (Atos 2:42, ACF). E, de acordo com o autor da carta aos hebreus, os cristãos batizados devem perseverar para alcançar a salvação. Se não perseverarem, serão destruídos:

“Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que ele prometeu; pois em breve, muito em breve ‘Aquele que vem virá, e não demorará. Mas o meu justo viverá pela fé. E, se retroceder, não me agradarei dele’. Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que creem e são salvos.” (Hebreus 10:36-39)

Isso significa que os cristãos batizados devem perseverar na doutrina/ensino dos apóstolos, na comunhão uns com os outros (ou seja, se reunirem como igreja em nome do Senhor – Mateus 18:20), no partir do pão (isto é, na Ceia do Senhor) e nas orações. Quem não congrega corre o sério risco de apostatar da fé e perder a salvação prometida por Deus: “Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia” (Hebreus 10:25).

Quem deixa de congregar é considerado apóstata. Por isso, devemos congregar. Mas onde? Em qual igreja?

Como a Bíblia não autoriza a criação de nenhuma denominação religiosa e não defende placa de igreja criada por homens, os cristãos devem, obviamente, seguir o exemplo da Igreja de Atos: se reunirem em suas próprias casas (Romanos 16:3-5), a menos que encontrem uma igreja não-denominacional fiel à Bíblia em sua cidade, e perseverarem no que os apóstolos ensinaram (doutrinas do Novo Testamento), na comunhão com outros cristãos, na Ceia do Senhor e nas orações (Atos 2:42).

Isso pode parecer estanho para alguém que passou a maior parte da sua vida em uma igreja denominacional. A simplicidade da igreja primitiva e o modo como os primeiros cristãos lá do Livro de Atos realizavam as suas reuniões e práticas pode surpreender quem nunca leu a Bíblia. Mas é isso aí mesmo. O Evangelho é simples. As ordens do Senhor são simples. A Igreja é simples. Foram as denominações criadas pelos homens que tornaram tudo complicado. Se quisermos ser salvos, devemos fazer o que a Bíblia diz:

E você, vai ficar confinado para o resto da vida a uma denominação não aprovada por Deus em vez de fazer somente o que o Senhor ordenou, como a igreja primitiva do Livro de Atos dos Apóstolos fazia?

Leia também: A Ceia do Senhor